Jardim

Certa vez li num website que jardinagem não é um hobby, mas sim uma obsessão.
Concordo plenamente.

Vivo fazendo planos para colocar mais flores no jardim e vou à loucura quando os catálogos de flores chegam aqui em casa.

Gosto de tirar fotos das flores, das cores e dos passarinhos. A presença deles, principalmente no inverno, é o que dá vida ao jardim.

Última atualização: janeiro-2015


Meu jardim nas diversas estações do ano

Quatro álbuns contendo as melhores fotos tiradas nas diversas estações do ano.

fotos flores primavera
O renascer e cores na primavera

A grandiosidade do verão

Os tons alaranjados do outono

A intensidade do inverno

Passarinhos que vivem por aqui

Os passarinhos são a maior atração do jardim. São várias as espécies que nos visitam, e clicando nas imagens abaixo, você poderá ver mais fotos.


Pardal-comum


Pardal-montanhês

Robin
Pisco-do-peito-ruivo
black bird pics
Melro-preto

Verdilhão

Chapim-real

Chapim-azul
magpie pics
Pega-rabuda

Gaivota-de-cabeça-preta

Pombo-torcaz

Andorinha-européia

Corvo-corone

 


Um visitante diferente

Verão 2011, vi no gramado uns passarinhos que eu não reconheci. Chequei na internet e confesso que estou com dificuldade para descobrir que passarinho é esse. E foi só aquela vez que ele apareceu aqui, e nunca mais. Eu desconfio que esse passarinho é um tipo de estorninho-malhado (Sturnus vulgaris), no entanto não tenho certeza.

 

Ninho 2010

No verão de 2010 tivemos o privilégio de acompanhar o desenvolvimento de um ninho de melro-preto.

Tudo começou quando percebemos vários matinhos sobre uma vassoura, a qual guardamos com as cerdas para cima, no nosso galpão de ferramentas. No dia seguinte o matinho havia se transformado num ninho de melro-preto, assim, da noite pro dia. Impressionante. Então foram duas semanas para chocar e mais duas semanas até os filhotes deixarem o ninho.

Nós vamos ao galpão com muita frequência, e durante o choco dos ovos, a fêmea acabou se acostumando com nossa constante presença ali, e mesmo quando tínhamos que ir perto dela para pegar alguma ferramenta, ela não se movia. No entanto nosso primeiro encontro com ela foi atribulado. Abrimos a porta, e ela saiu voando nos xingando.

Depois que os filhotes nasceram, nós víamos os biquinhos abertos esperando por comida. No final da segunda semana, os três biquinhos haviam se transformado em 3 bicões. Foi o macho que os alimentou sozinho por todo o período. Eu li, que muitas vezes, as fêmeas de melro-preto deixam o macho alimentando a cria e vão construir um novo ninho com um outro macho.

No dia em que os passarinhos estavam prontos para deixar o ninho nós estávamos em casa. Colocamos duas câmeras filmando para tentar registrar o momento. No final da tarde, estou eu recolhendo minhas ferramentas, e vejo que somente um passarinho está no ninho, o medroso. Os outros dois estavam se debatendo para cima e para baixo dentro do galpão. Deixei a porta aberta. Do lado de fora, o melro-macho já estava chamando os filhotes, e estes respondendo em alto e bom som de dentro do galpão. Pensei que a qualquer momento eles sairiam correndo pela porta. Então peguei minha câmera e me preparei para tirar uma boa foto. Que nada. Um deles saiu porta afora, deu uma boa olhada nos arredores e voltou correndo para perto de mim dentro do galpão. (Tudo isso eu peguei em vídeo!!)

Então fui obrigada a tomar uma atitude. Peguei minha almofadinha de jardim e com ela tentava direcionar os filhotes a sair pela porta. Foram mais de 25 minutos de pura emoção e estresse.

Eu, com almofada na mão, tentava evitar que os filhotes fossem para o lado das serras ou para debaixo do armário. Do lado de fora estava o macho, que berrava e chamava os filhotes, e estes, do lado de dentro, berravam de volta para o pai. O filhote medroso que ainda não tinha saído do ninho, ele berrava para mim. Loucura total.

Um dos filhotes conseguiu se prender entre umas táboas e o cortador de grama. Então puxo devagar o cortador para ver se o passarinho se solta, e nesse instante o medrosinho no ninho fica uma fera comigo. De repente sinto algo dando um vôo rasante por cima da minha cabeça! Foi o medroso que desceu do ninho e pousou sobre uma mesa improvisada que eu tinha arrumado para firmar a filmadora.

 

 

Depois disso o macho continuava chamando os filhotes do lado de fora. Eu já tinha conseguido ajudar dois deles a escalar o degrau da porta para sair do galpão, mas sempre tem um que é mais problemático. O terceiro filhote ao invés de voar para a porta, ia para o lado contrário. Se eu me movimentava, aí ele se enfiava por debaixo das estantes. Então saí do galpão, porque a essa altura já estava mais atrapalhando do que ajudando. Estávamos lá do lado de fora olhado para a porta: o macho no matinho gritando, ao meu lado um filhote que eu tinha ajudado a escalar o degrau da porta, e eu (engraçado que o passarinho não teve medo de mim, continuou ali, firme e forte ao meu lado. Decerto ainda estava em estado de choque!).

Cinco minutos de gritaria e nada. O bichinho não conseguia subir o degrau. Pô, tem asas pra quê? Lá vou eu, com minha almofada amarela para suspender o bicho. Alívio só senti depois que os passarinhos estavam fora do galpão.

Em torno das nove da noite começa a gritaria novamente. Reconheci na hora que era um chamado para indicar que tinha gato na área. Lá fomos eu e Carsten espantar os gatos. Por três vezes naquela noite tivemos que correr para espantar os gatos. Mas isso é tudo que pudemos fazer. A natureza toma conta de si mesma.

 

Outros visitantes

Moramos numa região rural, e já recebemos a visita de alguns animais mais inusitados, como esquilos vermelhos, sapos, corvos, gaivotas, falcão e até um faisão.

FAISÃO: Eu me lembro da primeira vez que ele deu as caras no jardim. Eu estava tocando piano quando percebi o reflexo de alguma coisa grande se aproximando. Quando me virei, vi o bicho ali, grande, de uma cor verde muito bonita, ao lado do bebedouro. Até gritei para o Carsten, para ele pegar a câmera e tirar uma foto, mas não deu tempo. O bicho se assustou.

FALCÃO: Esse fez aparições ultra-rápidas. Um dia voando em direção ao bebedouro, mas se assustou quando me viu na janela, e outra vez eu o vi agarrando um passarinho pequeno. Primeiro achei que o falcão tinha se espatifado contra a cerca-viva, mas depois percebi que ele tinha agarrado um bichinho ali.

ESQUILO: A espécie comum daqui é o esquilo vermelho. Eles viviam passeando pelo jardim porque tínhamos vários pinheiros, mas depois que mandamos podar tudo, é mais raro encontrar um esquilo. De vez em quando ainda aparece um ou outro para me enfuriar, pois eles vêm roubar meus morangos ou arrancar o forro das minhas cestinhas de flores. Eles são uns safados.
Lembro de um encontro com um esquilo que me deixou até com medo. Nesse dia eu estava num canto do jardim de manhã bem cedo, quando pela fresta da cerca vejo o esquilo atravessando a rua e vindo em minha direção. Este pulou na cerca, parou ali um pouco e olhou tudo ao redor. Juro que pensei que ele tivesse me visto. Continuei quieta. Eis que o bicho começa a correr em minha direção. Congelei. Achei até que ele iria subir em mim. Já pensou? Aquelas unhas afiadas nas minhas pernas? Socorro! Dei um passo para trás, e assim que eu me mexi, ele levou um susto maior que o meu, e subiu correndo no arbusto mais próximo. Ufa.

FELINOS: Os gatos dos vizinhos atravessam o jardim se achando 'reis da cocada preta'. Definitivamente não sou fã de gato, porque eles são uns esnobes e incomodam os passarinhos. Então costumo tentar espantá-los correndo atrás deles e dizendo xô com cara de malvada. Técnica que tinha funcionado muito bem até que uma nova vizinha chegou na área trazendo 9 gatos. (Fala sério, isso é normal?) Bom, alguns desses gatinhos eram bem novinhos e quando tentei espantá-los, eles acharam que era brincadeira e começaram a correr também atrás de mim. E pior, toda vez que eu estava no jardim, eles vinham para ver o que eu estava fazendo. Como não consegui vencê-los, juntei-me a eles e por algum tempo eles vinham aqui para um cafuné. Mas o tempo passa. Quatro anos mais tarde e os gatinhos viraram uns balofos esnobes, por isso voltei à minha tática de enxotamento.

 

Topo da página